⏰ HORÁRIO DE ATENDIMENTO: SEG. A SEX. DAS 08H ÀS 18H ☎️ 0800 702 2011 📧 CONTATO@HORARIO.COM.BR

Novo Ensino Médio: entenda as principais mudanças

Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Conheça as principais mudanças do Novo Ensino Médio, que será implementado a partir de 2022 em escolas de todo o Brasil.

Aprovado em 2017 e previsto no Plano Nacional de Educação, o Novo Ensino Médio será implementado em escolas públicas e privadas do Brasil a partir de 2022. O projeto considera o desenvolvimento do protagonismo dos estudantes e de seu projeto de vida, com o objetivo de aumentar a conexão entre os jovens e a escola.

O modelo de aprendizagem do Novo Ensino Médio é dividido por áreas do conhecimento e permite aos estudantes optarem por uma formação técnica e profissionalizante.

Segundo o Ministério da Educação (MEC), em 2016, 28% dos estudantes de Ensino Médio encontravam-se com mais de 2 anos de atraso escolar e 26% dos estudantes abandonaram a escola ainda no primeiro ano.

Além disso, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) ficou estagnado nos últimos anos e abaixo das metas estabelecidas.

Na prática, a norma aumenta a carga horária obrigatória do Ensino Médio e flexibiliza o currículo, permitindo aos alunos escolherem parte do que vão estudar.

Nesse modelo, uma parte da carga horária será comum a todos os estudantes, com as matérias tradicionais, e ao menos 40% serão dedicados aos itinerários formativos, que os alunos podem escolher de acordo com seus interesses.

Conheça as principais mudanças do Novo Ensino Médio:

Base Nacional Comum Curricular (BNCC)

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento que estabelece as competências e habilidades essenciais que os estudantes devem desenvolver ao longo da Educação Básica.

Com relação ao Novo Ensino Médio, são definidas quatro áreas do conhecimento que contemplam todos os componentes curriculares, assim como já ocorre no ENEM:

  • Linguagens e suas Tecnologias;
  • Matemática e suas Tecnologias;
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias;
  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

As redes de ensino poderão organizar seus currículos de modo que os componentes de uma mesma área sejam trabalhados de forma integrada, como Linguagens e Ciências Humanas, por exemplo.

Assim, matemática e português continuam como disciplinas obrigatórias, enquanto as demais serão agrupadas nessas quatro áreas do conhecimento que compõem os itinerários formativos, como veremos a seguir.

Itinerários formativos

Os currículos do Novo Ensino Médio são compostos pelos conhecimentos previstos na BNCC e pelos itinerários formativos, o conjunto de unidades curriculares ofertadas pelas escolas que possibilitam ao estudante aprofundar seus conhecimentos.

Esses itinerários podem estar organizados por área do conhecimento e formação técnica e profissional ou integrar diferentes áreas, competências e habilidades.

Assim, os estudantes podem cursar um ou mais itinerários formativos, de forma simultânea ou sequencial, de acordo com seu projeto de vida e dependendo da oferta das instituições, que terão autonomia para definir os projetos.

Formação técnica e profissional

Uma das principais mudanças do Novo Ensino Médio é que a formação técnica e profissional passa a fazer parte do currículo regular e os alunos podem escolher compor parte ou toda a sua carga horária destinada aos itinerários com cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC).

Dependendo da oferta da instituição, o estudante pode cursar a formação geral básica em uma escola de ensino regular e, na parte destinada aos itinerários, realizar cursos técnicos em instituições parceiras, por exemplo.

Outra possibilidade é realizar a formação geral básica e cursos de formação técnica e profissional de uma forma integrada na mesma escola.

Aumento da carga horária

Antes da aprovação da lei, a carga horária do Ensino Médio era de 800 horas anuais, ou seja, 2.400 horas em três anos.

Com as novas diretrizes, há um aumento para 3.000 horas totais, garantindo 1.800 horas para a formação básica (de acordo com os conhecimentos previstos na BNCC) e o restante para os itinerários formativos.

As redes poderão distribuir a carga horária de acordo com sua realidade, desde que seja implementada uma carga anual mínima de 1.000 horas para todos os anos do Ensino Médio até março de 2022.

Assim, a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) é que as escolas passem a oferecer ensino em período integral até 2024.

Para as escolas se adaptarem à nova realidade, a tecnologia será sua principal aliada na reestruturação da grade curricular, incluindo novas disciplinas e redistribuindo os horários.

O URÂNIA é um sistema que está preparado para dar todo o suporte à gestão escolar, pois oferece funções que permitem incluir novas disciplinas na matriz curricular de forma simples e prática, seja para turmas presenciais, remotas ou híbridas.

Com o URÂNIA, sua escola tem maior facilidade na adaptação ao Novo Ensino Médio. Entre em contato com nossos consultores e conheça as funções exclusivas do programa.